Recebendo uma intercambista – AIESEC

Olha só quem apareceu!!!! Hahaha 🙂

Quem me conhece sabe que em Julho de 2015, eu e minha família recebemos uma intercambista da Turquia, a Gözde, que veio fazer trabalho voluntário, pela AIESEC. Foi uma experiência incrível para nós, realmente gostamos muito, eu me diverti pra caramba!
Para mim foi muito legal receber logo depois de fazer intercâmbio. Me senti como se estivesse devolvendo todo o bem que recebi quando morei na casa de outras famílias. Quem sabe em breve meus pais não decidem receber outro!! E quando eu estiver mais velha, sem dúvida alguma, quero receber intercambistas, sempre que puder!

g

11694903_10207209699589258_8752620261601921699_n.jpg

g1.jpg

Alguns meses atrás pedi para a Gözde compartilhar um pouco sobre a experiência dela aqui no Brasil, para eu postar aqui. E aqui está o que ela escreveu…

Uma Aventura Inesquecível,
de Gözde Öztürk

          “Era uma vez uma garota que queria viajar o mundo. Até que ela teve a oportunidade de visitar o Brasil, e corajosa como ela é, aceitou! E a aventura começou…” foi o que Rose, minha host mother, escreveu, na primeira página do álbum de fotos que a família me deu de presente. Eu li, com lágrimas dos olhos, logo antes de sair de casa para o aeroporto.
Desculpa por começar pelo final, deixa eu me apresentar! Meu nome é Gözde e sou da Turquia. Eu fui para o Brasil em Junho de 2015 e fiquei lá por 6 semanas. Fui, principalmente, para fazer trabalho voluntário na ONG Arrastão. Mas a experiência foi muito mais longe do que eu imaginava!

12239697_174850422863521_8854663169324688125_n.jpg

Morei com uma ótima família que cuidou de mim, me ajudou com tudo e me aceitou, com muito amor, e sem esperar nada de volta. A família é composta por quatro membros.
          Um cachorro muito fofo, que gostava de ficar sentadinho do meu lado todas as manhãs, enquanto eu tomava café…que me salvou quando fiquei presa no banheiro, pois ficou latindo na frente da porta..que gosta de fazer cocô no tapete porque fica bravo que o deixamos em casa sozinho…e que tem um pêlo extremamente macio e olhos adoráveis. Esse é o Theo.
Outro membro é o Jô, meu host father, também um super-herói, porque resolvia todos os meus problemas, até consertar meu prendedor de cabelo. Ele até aprendeu o básico de inglês para conseguir falar comigo. É madrugador, um pai e marido apaixonado, e um ótimo consertador!
A Rose, minha host mother, muito companheira. Me ouvia, me ajudava.. uma ótima host com amor e carinho genuínos. Sempre disposta a aprender, principalmente sobre a cultura Turca…uma excelente mãe, esposa, empresária, se tornou um exemplo para mim!
Finalmente, minha host sister, Ana, que me acompanhou nessa verdadeira aventura e segurou minha mão quando eu precisava. Ela me recebeu muito bem, me emprestou seu próprio quarto e me levou ao trabalho nos primeiros dias. Tive ótimos momentos com ela, todo lugar que íamos, era uma experiência diferente e nos divertíamos muito! Ela é bonita, inteligente, e adora a Audrey Hepburn tanto quanto eu. Tive muita sorte de tê-la enquanto estava no Brasil.
Agora vou contar um pouco sobre minha aventura no Brasil. Bom, muitas coisas aconteceram nessas 6 semanas, mas para resumir, tive a experiência da minha vida! Explorei uma cultura totalmente diferente, conheci muitas muitas pessoas (do Brasil e de vários outros lugares). Todos foram extremamente gentis e hospitaleiros. Tive a chance de descobrir mais sobre mim mesma.
Fiz coisas que nunca nem imaginaria fazer na Turquia! Peguei carona no carro da polícia, dancei no bar na frente de todo mundo depois de perder uma aposta, quase me afoguei nas fortes ondas de Ipanema, etc. Chorei algumas vezes, mas ri muito. Sentia saudades da Turquia, mas ao mesmo tempo não queria sair de São Paulo. Prometo que vou voltar um dia!

g3.jpg

          Foi difícil me comunicar por não saber muito da língua portuguesa, mas encontrei uma forma de entender as pessoas e me expressar bem, mesmo sem falar Português. (Mas aprendi muitas coisas no idioma e ainda lembro! 😀 ).

11750716_10207428209171861_2006938952088346561_n.jpg

         Representei minha cultura num país diferente, mostrei um pouco do meu mundo para tantas pessoas, para pelo menos despertar um pouco de curiosidade dentro deles para conhecer onde moro, e quem sabe me visitar um dia!
Recebi tanta ajuda, presentes, carinho dos meus hosts e amigos… Vi lugares lindos, como o Corcovado, Copacabana, Avenida Paulista…  Aprendi que dividir não é impossível, mesmo nesse nosso mundo cheio de competição e egoísmo, e que gentileza abre muitas portas.
Tive 6 semanas incríveis e eu não teria conseguir passar por tudo sem minha host family. Obrigada por tudo! Amo vocês e a Turquia espera uma visita!

-Gözde Öztürk

Depoimento Bruno Puorto – High School, Canadá

BruDP

Bom… intercâmbio… sempre que paro para falar sobre com alguém, da aquele aperto no peito, aquela vontade de voltar, aquela saudade imensa. Pra começar que já sou uma pessoa completamente fascinada por viajar o que só aumenta a minha vontade de sempre estar buscando algo para fazer abroad. Minha mãe fez intercâmbio quando estava na faculdade,  ficou um ano em Paris, cresci ouvindo as histórias, então desde pequeno tinha vontade de fazer também, falava em “Torontolo” ou “Ostrália” hahaha

Quando fiquei mais velho… bem, não tão velho assim, aquele período de pré-adolescência, comecei a frequentar feiras de intercâmbio, pesquisar lugares, etc. Com 14 anos decidi (me achando né? Haha) que era realmente isso que queria e por mim teria logo embarcado pra um de 6 meses, porém meus pais acharam que era muito cedo pra ficar um período tão longo – e realmente eu acho que era mesmo. Decidimos então, que  eu iria fazer um Intercâmbio Teen, programa que dura 1 mês e é durante as férias – escolhi Vancouver, no Canadá – e se curtisse depois faria um mais longo. Conclusão: curti pra c******!! Voltei falando que era isso mesmo que queria. Um ano e meio depois embarquei para Squamish, uma cidadezinha com 17 mil habitantes no meio do caminho entre Vancouver e Whistler, famosa estação de ski, para um programa de 6 meses, o famoso High School.

image1

Bom, vamos para o que interessa, o programa em si. Exchange Program, acho que o nome já resume bem a ideia principal, né? É literalmente uma troca, você vive em uma cultura diferente da que você está acostumado, vive a vida de uma família que os costumes são diferentes dos seus, nova escola, novos amigos e tudo isso a milhares de quilômetros de distância de casa, o que deixa tudo mais empolgante.

Vou tentar resumir os pontos que eu acho mais relevantes, porque se depender de mim, dariam umas 10 páginas facilmente contando tudo de lá hahaha enfim… eu acho que a experiência que se ganha com um intercâmbio é algo que todos deveriam fazer. Costumo dizer que eu fiz “2 em 1”, tipo promoção, sabe? Vou explicar melhor hahah. Falo isso porque fiz o programa no Canadá, então escola canadense, amigos canadenses, o país em si que é incrível e cultura canadense. E a host family? Aí é que está o “segundo intercâmbio”. Tive o imenso prazer em ficar em um família de descendência indiana! Confesso que quando recebi o papel da família fiquei meio sem saber o que esperar, porque é uma cultura muito diferente da nossa, mas não podia ter pedido família melhor! Por isso que uma coisa que eu falo pra quem está indo ou pensando em ir é: vai de coração aberto. Uma das horas do dia que eu curtia muito era quando quase todas as noites, depois do jantar, a família inteira sentava pra tomar Chai  (chá indiano) e conversar. Era um momento muito gostoso. Além de mim, tinha um estudando do Chile que morava comigo, nos demos super bem. No Canadá, diferente dos EUA, muitas escolas são internacionais, ou seja, é comum nas escolas desse país ter uma quantidade considerável de intercambistas, ou International students, como somos chamados lá, o que pra mim foi uma experiência sensacional também; por exemplo, na escola em que eu estudei tinham mais ou menos 450 alunos, sendo que cerca de 100 eram Internationals. Então, além de canadenses, conheci pessoas de vários países, como, EUA, México, Chile, Alemanha, Suíça, Noruega, Espanha, Itália, Ucrânia, Japão, China, Filipinas, Mongólia, Índia, Austrália e claro “Brasilzão”; e com muitos deles mantenho contato até hoje, nos tornamos muito amigos mesmo. Na escola, tive oportunidade de fazer aulas que aqui no Brasil são impossíveis. Fiz Marcenaria (sei que você lembrou dos episódios de Manual de Sobrevivência Escolar do Ned hahah), Mecânica, trabalhei na Cafeteria da escola e joguei futebol americano. A  cidade em que eu  morava é totalmente de atividades outdoor, fiz de tudo lá, desde de subir em uma pedra em uma montanha as 5 da manhã para ver o amanhecer, fazer uma fogueira e assar marshmallowssentado nessa mesma pedra, vendo o pôr do sol, trilhas que até perdi a conta, até subir na montanha mais famosa da cidade, lugar inclusive que já serviu de cenário para filmes. Coisas que eu nunca fiz no Brasil. E por conta da proximidade com a estação de ski, ia quase todo final de semana, até trinquei o pulso fazendo snowboard.

Acho melhor encerrar por aqui, mas se deixasse…visshh, isso daria um livro.

Por mais que eu conte a experiência incrível que eu tive, é muito difícil colocar em palavras esse sentimento. Acho que só quem fez um intercâmbio consegue realmente entender a sensação.

-Bruno

De volta pra casa…outra vez!

89 Sumi de novo mas voltei! Cheguei do Canadá no fim de Janeiro e tudo tem sido bem corrido desde então! Ainda matando a saudade de família e amigos, comecei a trabalhar, fiz alguns applications para faculdades americanas (que falarei sobre logo logo…), estou estudando bastante e indo na academia para perder esses “quilinhos canadenses”! Hahaha 2 Agora, sem dúvida alguma, posso falar que minhas duas experiências de intercâmbio foram ótimas! Se você leu alguns dos meus posts, deve ter percebido que foram bem diferentes. Eu falo que elas foram extremos.. Um com uma casa com crianças, vida mais agitada, matérias das escola mais fáceis… Outro com um casal de velhinhos aposentados, cidadezinha bem parada, aulas mais difíceis. Mas algo que as duas têm em comum é que foram super aprendizados para mim. Eu me tornei mais independente, responsável…aprendi a ficar bem comigo mesma e sendo quem eu sou… aprendi que assistir Netflix sozinha pode ser um programa de sábado até que legal…descobri que eu (acho que) sei o que eu quero para meu futuro…aprendi que respeito e confiança são muito mais importantes do que achamos, e que pré-julgar as pessoas é algo que todos nós devemos parar de fazer. E milhares de outras coisas. Além de tudo, conheci pessoas muito legais e que espero poder levar para sempre na minha vida, não importa a distância. Agora chega de intercâmbios e que a preparação para faculdade americana comece!! 🙏💜

Black Friday & Snow day ❄️

Oi gente!

Como todo mundo sabe, semana passada foi a Black Friday. Depois da escola, eu e minhas amigas brasileiras decidimos ir ao shopping e imaginem a pequena LOUCURA que estava! Muitas lojas estavam em sale, mas nem compramos muita coisa. Infelizmente o shopping daqui não tem Forever 21…

Quando saímos do shopping à caminho do ponto de ônibus tivemos uma surpresinha linda… estava nevando! 💙❄️ Era só um pouquinho comparando com outros lugares daqui (tem uma cidade que está com 2 metros de neve!), mas mesmo assim. Para mim, foi a primeira vez que vi neve na vida. E a primeira vez a gente nunca esquece, né?

IMG_3053IMG_6696

Agora é tentar ficar quentinha nesse frio pelos próximos 50 dias!!

2 meses depois…

Última vez que eu escrevi as aulas nem tinham começado e agora faltam quase 2 meses pra eu ir embora!! Dei um tempinho, mas estou de volta ☺️

Primeiro….. a escola.

KWALIKUM SECONDARY SCHOOL

Já comentei aqui e é importante não esquecer que intercambistas brasileiros sempre precisam fazer as 5 aulas mandatórias pelo MEC (Ministério da Educação) para poderem convalidar esse tempo de Ensino Médio quando voltarem para o Brasil. Essas aulas são: Inglês, Matemática, Ciência (Física ou Biologia ou Química), Geografia ou História e Educação Física. 

Quando pensamos em intercâmbio/ensino médio em uma escola gringa, sempre vem aquelas aulas “mais legais” na cabeça, né? Marcenaria, fotografia, culinária, produção de vídeo… E tanto nos Estados Unidos como no Canadá, essas aulas fazem sim parte da grade escolar (desde que você também esteja cursando todas suas mandatórias, claro).

Achei super chato quando cheguei aqui no Canadá e me falaram que eles só têm 4 aulas por dia. Ou seja, eu já tenho 5 matérias mandatórias (falta espaço pra uma) e não tenho tempo para nenhuma aula eletiva… Continuar a ler

Volta às aulas?!

10603508_10202352514322941_1307063012614719009_n
Olá!

Tenho o maior prazer em dizer que A GREVE ACABOU (Graças a Deeeeeeeeeus!)! E as aulas começarão na quarta-feira, dia 24.

Nessa última semana ainda tivemos atividades com o grupo de intercambistas de Qualicum Beach, e o coordenador fez algumas aulinhas preparatórias para o teste de inglês IELTS para alguns alunos. Eu nem estaria nesse grupo, mas como ele sabe que eu quero fazer o teste, me colocou na lista! ☺️
Eu acho esses testes de inglês (IELTS e TOEFL) muito bons e mesmo quem não “precisa” para concluir curso ou entrar em uma faculdade gringa, vale a pena fazer para ver o nível de inglês e dar uma bela treinada na língua!
E além disso, existem 1 bilhão de sites com simulados grátis que ajudam bastante na hora de estudar para a prova.

Ah, esqueci de falar que fomos visitar a VIU (Vancouver Island University) e…………….sem palavras, juro. Amei, amei, amei! (e acho que vai entrar pra lista de faculdades a considerar pro futuro hein?! 😋)

Continuar a ler